Categorias
História News

199: Delmino Pereira é campeão nacional

O ano começa com um caso entre o Boavista e o Maia, com Paulo Ferreira assinar pelos dois clubes e a criar um impasse, o que não agradou ao Boavista que acaba por o libertar.

Delmino Pereira
Delmino Pereira

Delmino Pereira vence o campeonato Nacional de Fundo em Santo Tirso, num sprint de força, dando ao Boavista o segundo Nacional do seu historial, e colocando a equipa, de novo, entre as melhores do ciclismo nacional, numa luta acesa e direta com a equipa do Maia.

Na chegada a Aveiro, ultima etapa do primeiro Prémio Portugal Telecom, Saulius Sarkauskas vence a corrida, bem nas barbas de Candido Barbosa, num sprint de mais de trezentos metros.

Para culminar a boa temporada, Delmino Pereira sobe mais uma vez ao pódio de uma das maiores provas nacionais, o Prémio de Torres Vedras. Disputado aos segundos, o Prémio de Torres Vedras estava ao rubro, com poucos segundos a separarem os primeiros classificados, devido ás bonificações. Na chegada ao Montejunto, Joaquim Gomes tenta deixar Delmino que se cola à sua roda e aguenta os ataques. Sabendo que Delmino era mais rápido, Gomes ameaça que o deixa ficar para trás e combinam a chegada. Gomes ganhava a etapa e Delmino a amarela. Do carro de apoio, para o alto onde estava Eduardo Correia veio o aviso para Delmino, a trezentos metros para a meta: “ O Chefe disse que é para o risco.” Delmino ganha e Gomes acusa-o de faltar ao combinado. Em entrevista a uma rádio local, José Santos afirmou: “ No ciclismo não há combinações. Agora nem as mulheres usam combinações.” No dia seguinte, no circuito final, os insultos e ameaças foram constantes ao longo da ultima etapa.

Na Volta a Portugal, na etapa da Torre, Delmino passa em quinto lugar nas Penhas da Saúde, num grupo de poucos ciclistas e onde vinham integrados os favoritos, Na descida, que antecede a subida final para a Torre, é visível que não domina a bicicleta e deixa de pedalar. A bicicleta vai parando por si própria, por força da inclinação que segue ao final da descida , o mecânico sai do carro em andamento e impede a sua queda. Uma violenta hipoglicemia deitou por terra a ambição de poder discutir o triunfo final. Muito a custo, e depois de ter arremessado os sapatos para longe, que lhe são calçados pelo diretor desportivo, segue viagem, depois de ter sido assistido pelo médico da prova e auxiliado por Juan Arenas e Santos Hernandez , que são mandados parar para o auxiliar, corta a linha de chegada com um atraso substancial.

Sabedores do poder dos ciclistas portugueses nas etapas montanhosas, os ciclistas italianos, presentes em força na edição desse ano da Volta, imprimiram um ritmo diabólico até à entrada da Covilhã, com a média a ultrapassar os 50 kms/h, tornando difícil a hidratação e alimentação ao longa da etapa, o que se veio a ressentir subida acima.

Ainda na Volta a Portugal a equipa seria consagrada na Póvoa de Varzim, como a melhor da Volta, repetindo o êxito já alcançado em 1989 . Foi um triunfo importante, acolhido pelos sócios axadrezados, como uma grande vitória.

O plantel tinha sido reforçado com três ciclistas espanhóis, já experientes, mas a sua contratação não deu os resultados esperados. Blas Giner deixou a equipa a meio da época e Arenas e Santos Hernandez estiveram longe de atingir o esperado. Quintino Rodrigues foi a grande contratação desse ano.

Plantel da equipa:

Juan ARENAS (Esp )
Carlos CARNEIRO
Arunas CEPELE
Blas GINER
Santos HERNÁNDEZ
Fernando MOTA
Delmino Pereira
Quintino RODRIGUES
Saulius SARKAUSKAS
Luis SARREIRA
Carlos TEIXEIRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *