Volta ao Algarve (3.ª etapa): Queda obriga a dar o máximo

Para a RP-BOAVISTA, nesta fase da época , a etapa de contrarrelógio foi aproveitada para melhorar a posição e afinação da bicicleta, a famosa “cabra”.
Uma máquina que obriga o ciclista a uma posição muito agressiva , apenas sustentável por pouco mais de uma hora, para que nessa hora homem e máquina, formem um só corpo, sejam o mais aerodinâmicos possível,sem perder potência.
Hoje era um tipo de etapa que nunca se sabe onde o perigo espreita. Numa reta, sem perigo nenhum aparente, bastou um pequeno desvio provocado pelo vento para entrar na valeta, com as mãos e os braços apoiados nos extensores da bicicleta, o domínio da máquina não é tão eficaz, uma saída de estrada e queda certa. O “engraçado” disto – e que no fundo não tem piada nenhuma, é que no inicio da etapa tinha dito que ia com o máximo de cuidado na parte inicial do contrarrelógio , muito técnico ,com algumas curvas perigosas e queria estar livre de problemas nesta fase da temporada. Faltam duas etapas e, depois segue-se a Volta ao Alentejo, e é importante gerir o desgaste deste dia e não correr riscos desnecessários.
Mas por vezes nem sempre tudo acontece qomo queremos, e talvez por isso, ciclismo seja um desporto diferente de tudo o resto, e que quem gosta e o percebe fica apaixonado.
Há um tempo limite para terminar todas as etapas, e o contrarrelógio não é exceção. Essa margem de tempo é estabelecida de acordo com as caraterísticas de cada etapa que, no caso era de 25% , percentagem calculada, como óbvio pelo tempo obtido pelo vencedor da etapa, independentemente se o ciclista atrasado tem ou não tem azares.
Em situações deste tipo, a preocupação maior é montar na bicicleta ,estar parado o menos tempo possível, porque o cronometro não para, e tudo tem de ser feito com a maior rapidez . Por isso mesmo, só depois de estar a pedalar é que percebi que ia a pingar sangue pelo cotovelo e que não tinha os botões do sistema eletrónico das mudanças que se tinham partido na queda. Se até ali tinha feito um C/R calmo, gerindo o esforço, daí para a frente fui obrigado a vir a fundo, para tentar entrar na janela de tempo que me permitisse alinhar na etapa de amanhã.

Sem respostas to "Volta ao Algarve (3.ª etapa): Queda obriga a dar o máximo"


    Alguma coisa a dizer?

    Some html is OK